Seguidores

sábado, 8 de fevereiro de 2014

DETESTO TER RAZÃO QUANDO NÃO ESTOU DE ACORDO COM CERTAS TEORIAS

Convido, quem ainda não conhece a notícia, a ler AQUI,  mais um escândalo de grande envergadura e que nos leva a questionar como será possível que sejamos tão ingénuos que não nos apercebamos que estão constantemente a enfiarem-nos no cérebro teorias inventadas, muitas vezes através duma arte manhosa, a que chamamos "artimanhas para engordar o património financeiro de "bestas que não têm nem pudor, nem amor ao próximo". 

Este artigo, que acabo de conhecer, refere-se a um assunto muito delicado..., i.e., à educação dos nossos pequeninos, artigo este que - quem sabe o que tenho dito sobre este assunto - veio de encontro às dúvidas que sempre tive neste campo.  

A educação da criança exige tanto de nós! Muito sacrifício e muita entrega mas, sobretudo, muita atenção. Quando o mau comportamento duma criança ultrapassa, de longe, a nossa capacidade de control do mesmo, deveremos reflectir, em primeiro lugar, sobre eventuais razões para que tal aconteça e perguntarmo-nos se a educação que estamos a dar-lhe será a correcta. É necessária, da parte dos pais, muita firmeza, paralelamente a tanto amor..., quando educam os seus filhos. O Amor e a Firmeza devem interligar-se constantemente, na educação a dar à criança, acabando esta por compreender o significado das duas, aceitando-as. 

Nem tudo o que nos parece ser, é-o, realmente, e muitas vezes vêm com teorias que me assustam por chegarem mesmo, não só a agravar o problema da criança, por tratamentos inadequados, como também a 'desviar' uma correcta posição dos pais, comprometendo a sua adequada actuação, no momento próprio. E depois, na grande maioria dos casos, são os pais os directíssimos responsáveis pelos maus comportamentos dos filhos, que tantos dizem, ou diziam, serem esses comportamentos devidos a um "distúrbio" a que chamam, ou chamavam..., TDAH (ou ADHD)..., quiçá para desculpabilizarem-se...  

A nossa culpa não estará, eventualmente,

1.  no quanto estaremos a exagerar ao satisfazermos todos os caprichos das nossas crianças,    oferecendo-lhes os mais sofisticados meios de diversão, tais como jogos para computador, play station, Wii, Nintendo, etc. e tal?

2.  no quanto as prejudicamos quando não damos a devida importância à correcta organização dos seus tempos livres?

3.  no quanto estaremos a prejudicar o seu equilíbrio emocional, pelo excessivo tempo que perdem em jogos de competição os quais, na sua maioria, incitam à violência?

4.  no quanto as prejudicamos deixando que usem o seu computador (tantas vezes para verem ou jogarem o que não devem, por ausência de vigilância) ou que alimentem a sua vontade de serem sempre vencedores em jogos de competição tão agressivos, quanto impróprios,  em vez de as acompanharmos em salutares brincadeiras ao ar livre?

5.  no facto de muitos educadores permitirem que os seus filhos comam as suas refeições em frente do computador, ou a jogarem os referidos jogos, o que - como é natural - prejudica-os altamente?

etc., etc... 

Gostaria de saber se os herdeiros de Leon Eisenberg, psiquiatra e educador infantil que inventou o TDAH, (ou ADHD), Transtorno de Deficit de Atenção com Hiperactividade, serão dignos merecedores da fortuna que, eventualmente, ter-lhes-á deixado, herança essa que ele teria "engordado" ao longo dos anos em que a sua teoria não passou duma "invenção" com esse fim: enriquecer à custa dessa mesma falsa teoria (e quem sabe de outras do mesmo calibre), que levou inocentes pais a acreditarem nele. Essa fortuna não seria suficiente, SEM DÚVIDA NENHUMA, para compensar, moralmente, aqueles que ele prejudicou psicológica e fisicamente. 

São homens como Leon Eisenberg e uma fila enormíssima de outros - que não caberia aqui referir - que levam tantas pessoas a acreditarem neles sem reflectirem, primeiro, sobre a veracidade das suas teorias, por desconhecimento óbvio. 

Para quê mais palavras? A minha família saberá bem que sempre me opus à teoria dele, quando conversávamos sobre determinados comportamentos de crianças... Amo-as demasiado, para confiar cegamente em algumas das afirmações tão peremptórias quanto maléficas...
 
Deixo duas simples perguntas no ar:

a)   Será que todos os jovens que programam virem a ser pais, alguma vez se perguntam se estarão dispostos a sacrificar o seu tempo, dando à criança a atenção que lhes será exigida por dever? Não menosprezem este ponto importantíssimo...

b)    Será que estarão preparados para proporcionarem aos seus filhos ar livre, em vez de, por comodismo ou franca falta de tempo, preferirem manter-se em casa, alimentando neles o hábito, que passará a vício como qualquer droga, de fazer aquilo que, mais tarde ou mais cedo, acabarão por exigir se lhes forem recusadas..., gritando e massacrando, até que essas mesmas vontades sejam satisfeitas?­­­­

De que servirá a alguns pais irem ao gabinete dum psicólogo para receberem conselhos, se eles mesmos desconhecerem o que são regras nas suas próprias casas? 

Maria Letra