Seguidores

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

PARAR PARA PENSAR COMO MELHORAR, OU MESMO COMO CURAR , A DIABETES

Porque não tentar-se a cura naturalmente?  Porque não mudar vícios enraizados, que são mais nefastos do que tentar alternativas naturais?

7 comentários:

BIA disse...

Oi Maria!!!
Como são importantes essas informações e prevenção, os blogs são muito eficientes na transmissão desses conhecimentos pois na maioria das vezes as pessoas não tem tempo de pesquisar mas nos blogs dos queridos amigos acabam lendo, se atualizando, tendo uma maior conscientização e poder aplicar no seu dia a dia uma vida mais saudável no contexto geral, pois somos mente e corpo, temos que alimentar bem a mente com cultura e o corpo com alimentos saudáveis. Muito bom mesmo!!!
Beijos
Bia

Carla Farinazzi disse...

Concordo contigo, Maria.
Por que não mudar vícios enraizados?

Perfeito vídeo

Beijo

Carla

Maria Letra disse...

Obrigada, Bia, pelo teu comentário. Peço desculpa que só hoje o li.
Concordo plenamente. E depois, amiga, há tanta coisa que não sabemos e que à medicina alopática não convirá descobrir. Senão repara: eu herdei de meu pai, uma enxaqueca que me incomoda sobremaneira. É rara, mas acontece. Começo a ver metade das imagens, em que a parte invisível ou se manifesta por uma mancha escura, como se tivesse estado ao sol e entrasse em casa, ou se manifesta por inúmeras figuras geométricas, multi-color. Só consigo ver a imagem toda por uma fração de segundos, quando a olho. Isso durava, relativamente, bastante tempo e quando passava ficava com uma incomodativa dor de cabeça.
Já pela 6.ª vez experimentei uma forma de libertar-me disso, fazendo o seguinte: quando começo a sentir os primeiros sintomas, chupo 2 pastilhas de enzima de papaia e bebo um copo de água morna, quase quente. Acredites ou não, em 10 minutos, a enxaqueca passa completamente e não fico com qualquer dor de cabeça.
Perguntar-me-ás porque me lembrei disso e eu só posso dizer-te que pensei que, eventualmente, a enxaqueca pudesse estar ligada a uma perturbação do aparelho digestivo, por erro alimentar e, portanto., tentei saná-lo com a enzima de papaia.
Mereceria um estudo, pois é a 6.ª vez que experimento com ótimo resultado ....
Bom domindo. Bjs.

Maria Letra disse...

Obrigada, Carla, pela tua visita e pelos magníficos textos que saem do teu coração.
Em muitos casos, as pessoas não mudam vícios enraizados porque a vontade de continuar alimentando-se mal, é superior à vontade de mudar hábitos. É pena ...
Se puderes, lê o que escrevi em resposta ao comentário que fez a Bia.
Bom domingo, amiga.

BIA disse...

Oi Maria!!!
Tudo isso que tu falaste sobre a enzima de papaia é algo muito importante e interessante acho que se tu tivesse a oportunidade de conversar mais detalhadamente com um médico sobre isso e esclarecer a parte cientifica deveria fazer um post sobre este assunto pois seria de extrema importância para muitas pessoas, penso que os blogs como já havia falado anteriormente tem uma função muito eficiente na propagação de informações corretas e esclarecedoras muitas vezes corrompidas ou passadas de forma errônea e não científicas por outros meios de comunicação mas quando tem base na medicina e é comprovada através de experiência na vida deveria ser compartilhado e mais divulgado, uma pena que as vezes na grande mídia divulgam tantas coisas equivocadas e inúteis. Sei que você já dever ter feito check-up obviamente né? A enxaqueca tem a ver com muitas causas... mas muito também tem a ver com a visão, por isso tão importante ir ao oftalmologista com mais freqüência, quem sou eu para falar isso para uma pessoa tão sábia e inteligente como você, mas é que me veio isso a mente. Faz um bem maravilhoso ler tudo o que você escreve, são sempre assuntos que me prendem a atenção.
Bom domingo
Beijos
Bia

Maria Letra disse...

Concordando com o que escreveu, Bia, gostaria de dizer que esta enxaqueca não tem a ver com problemas de visão, pois fiz vários testes nesse sentido. Isto não exclui, porém, que hoje não tenha problemas oftalmológicos, mas teem outras consequências. As minhas enxaquecas, comuns a uma irmã e à minha filha, não teem que ver com o que refere, Bia.
Quanto ao texto sobre este assunto, está escrito há meses, em rascunho e ainda não foi publicado porque estava à espera que minha filha tivesse essa enxaqueca, para experimentar nela, também, e ver se nela resulta da mesma forma que resulta comigo.
Bom final de domingo e obrigada.

Vanuza Pantaleão disse...

É verdade, amiga, ao mesmo tempo que queremos ser saudáveis, mesmo assim, não procuramos mudar nossos vícios e modo errôneo de viver.
Ótimas dicas!
Beijos