Seguidores

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

BACALHAU COZIDO COM TODOS, À MODA DA AVÓ MIZITA

É conveniente prevenir que este prato é desaconselhado a quem sofre de excesso de colesterol mas que, devido à sua tradição nesta época festiva, se 'impõe' referir.  Desde que seja respeitada a moderação necessária, não será por uma noite de fuga à disciplina alimentar que a saúde irá agravar-se.                                           

Ingredientes:

6 postas de bacalhau bem grosso e de ótpima qualidade
8 batatas de tamanho médio
4 cenouras
1 molho de grelos
1 molho de nabiças
4 nabos
1 de bróculos
1 couve
4 cebolas de tamanho médio
4 ovos
Opcional: 1 polvo
q.b. de azeite, alho, sal e vinagre

- Limpar as postas de bacalhau, raspando-lhe a pele muito bem.
- Preparar os legumes, raspando a cenoura, mas conservando-a inteira.
- Deitar num frasco azeite virgem, de óptima qualidade, com dentes de alho picados finos e vinagre. Há
quem ponha, também, pimenta branca. Pessoalmente não uso.
- Colocar água a ferver num tacho e meter dentro as batatas, as cenouras inteiras (afim de conservar melhor
o seu paladar), os legumes e os ovos.
- Quando recomeçar a ferver, meter o bacalhau, o qual deverá cozer, apenas, durante 8 minutos.
- Entretanto, tenha um tacho com água a ferver. Retire o bacalhau do tacho onde cozeu durante 8 minutos e
coloque-o dentro desta água, deligando o disco completamente. Deixe-o ficar aqui até que seja servido com os restantes legumes.
- Deverá ter em atenção que os legumes não deverão cozer em demasia.
- Quando tudo estiver cozido, estará pronto a servir.
- Temperar tudo com o molho de azeite, vinagre de cidra e alhos.

Notas:
1. Fiz uma pequena alteração na forma como cozer o bacalhau, a conselho do cozinheiro dum restaurante.

2. No Porto é costume servir o bacalhau, como acima referido, com polvo cozido a acompanhar. É uma
questão de gosto.

Maria Letra
Imagem da net

Apêndice a este texto:
Minha irmã experimentou cozer o bacalhau como lhe aconselharam, num restaurante em Espanha e, segundo me disse, foi espectacular! O bacalhau não é cozido junto com as batatas e os legumes, mas é colocado dentro dum tacho com água a ferver, o qual é desligado IMEDIATAMENTE após ter-se metido o bacalhau e ficará, APENAS, 15 MINUTOS nessa água.

ALETRIA

INGREDIENTES:

                                                 

300grs de aletria
casca de 1/2 limão
80 gr. de manteiga
200 gr. de açúcar
1 litro de leite
1 pau de canela
3 gemas de ovos
canela em pó, q.b., para decoração
sal q.b.


- Separe bem os fios de aletria, podendo mesmo parti-la com as mãos.
- Coloque um tacho ao lume com o leite, a manteiga, a casca (muito fina) de limão e o sal.

- Quando começar a ferver, deite-lhe a aletria, mexendo sempre.
- O tempo de cozedura depende muito do gosto das pessoas. Eu gosto de sabê-la bem cozida e
   soltinha.
- Pessoalmente não gosto de aletria dura. Prefiro-a ligeiramente húmida. Se, eventualmente, a
  qualidade
  de aletria que escolher, exigir mais leite, bastará acrescentar um pouco de leite, previamente 
  aquecido.
- Retire do lume e junte-lhe as gemas de ovos previamente batidas.
- Volte a colocar ao lume, afim de cozer as gemas de ovos durante 2 minutos.
- Retire o pau de canela e a casca de limão.
- Ponha a aletria numa travessa e enfeite com canela com desenhos alusivos ao Natal. Eu aproveito  
  para escrever Feliz Natal, por exemplo.

Nota: Porque em reuniões familiares há sempre a hipotese de termos alguém que não goste de aletria feita com leite, ou mesmo com gemas de ovos, sugiro façam um pratinho utilizando água em vez de leite, na preparação da aletria, com ou sem ovos. Pessoalmente é o que faço sempre.


Maria Letra
Imagem da net


sábado, 19 de dezembro de 2009

CABRITO ASSADO, ARROZ E ERVAS DE MOLHO À MODA DA AVÓ MIZITA

Queiram notar que, para minimizar os malefícios de pratos como este, não usei, nem a banha de porco, nem cubos de caldo de carne ou de galinha.

















CABRITO ASSADO À MODA DA AVÓ MIZITA

- Iniciem esta preparação à noite, na véspera de ser cozinhado.
- Depois de limpar o cabrito, cuidadosamente, coloque-o num alguidar e cubra-o de leite, deixando-o de molho durante 2 horas.
- Decorrido este tempo, retire-o do leite e esfregue-o bem com alhos pisados e sal grosso. Deixe descansar durante 30 minutos. 
- Coloque-o em água, rodelas de limão, 2 folhas de louro, um ramo de salsa e um ramo de carqueja.

Nota: aconselha-se cortar as pontas às folhas de louro e, depois, cortá-las longitudinalmente, de modo a ser retirado o veio central.

- Deixe o cabrito de molho até ao dia seguinte, virando-o de vez em quando.
- Meia horas antes de começar a temperá-lo, ligue o forno para 250ºC.
- Retire o cabrito, do alguidar.
- Coloque num copo de varinha mágica, o azeite, a paprica, o sumo de limão e os alhos. Accione a varinha mágica até obter um molho cremoso.
- Ponha água num tacho ao lume e, quando ferver, coloque dentro batatas pequenas e redondinhas, descascadas, com um pouquinho de sal. Deixe cozer, APENAS, 2 minutos.
- Retire as batatas, coloque-as num escorredor e cubra-as com um pano.
- Coloque o vinho (eu prefiro o vinho tinto) no fundo da assadeira com 1 porção de água para 1 porção de vinho. Corte uma cebola em rodelas muito finas, salsa e mangericão cortados fininhos e coloque o cabrito em cima. À volta do cabrito, sobre o qual colocará umas pedrinhas de sal, disponha as batatinhas e, sobre estas, um pouquinho de azeite em cada uma.
- Disponha, entre os pedaços do cabrito, algumas fatias de toucinho fumado.
- Espalhe o molho cremoso que obteve previamente, por cima do cabrito, deitando uns salpicos do mesmo sobre as batatas. Baixe a temperatura do forno para 200ºC.
- Deixe assar tendo o cuidado de ir virando, de vez em quando, a carne e as batatas. Se começar a secar, junte um pouco de água a ferver, mas sempre em pequenas quantidades.
- Quando estiver bem lourinho de todos os lados, estará pronto a servir. Decore a com raminhos de salsa e mangericão, fresquinhos e rodelas de laranja.

..................................................................................


ARROZ DE FORNO PARA ACOMPANHAR O CABRITO

- Cubra o fundo dum tacho com a quantidade normal de azeite. Pique muito bem uma cebola grande e deixe alourar no azeite. Quando estiver a começar a alourar, coloque dentro rodelas de tomate (*), toucinho aos cubos e rodelas de chouriça em colorau (recordo-vos que estou a dar receitas pouco aconselháveis, sobretudo, a quem sofre de hipertensão, artritismo, ou tem problemas de estomago).
(*) Escalde o tomate afim de retirar-lhe a pele. Retire-lhe, igualmente, as sementes.
- Deixe ferver em lume muitíssimo lento, até formar uma calda, à qual irá juntar o arroz, os pistilos de açafrão, pimentos vermelhos, amarelos e verdes (umas tirinhas, apenas, de cada um), cenoura cortada aos bocadinhos, ervilhas e sal q.b.. Logo levante fervura, deite tudo num tacho de barro, de ir ao forno.
- Leve à parte de baixo do forno, o tacho de barro. Deixe cozer durante cerca de 15 minutos. Deverá ter criado uma capa avermelhadinha no cimo do tacho de barro, sinal de que foi conseguido o desejado objectivo: um arroz, nem seco, nem húmido em demasia. 

..................................................................................


ERVAS DE MOLHO, OU SEJA, ESPARREGADO

- Ponha a cozer grelos e nabiças, em quantidades iguais, com um pouco de sal..
- Quando estiverem cozidos, coloque-os num escorredor e cubra-os com um pano.
- Coloque num tacho um pouco de azeite e dentes de alho com a pele. Quando estes estiverem louros, retire-os e deite-os fora.
- Desfaça as nabiças e os grelos com um passe-vite (embora eu o faça com a varinha mágica).
- Coloque a papa obtida no tacho com azeite, onde foram alourados os alhos e junte-lhe uma colher de sopa de farinha, um cópinho de leite e umas gotas de vinagre de cidra. Deixe cozer uns 2 minutos.
- Depois de tudo muito bem ligado, coloque numa travessa de ir à mesa e distribua azeitonas verdes e pretas por cima, sem caroço, decorando a gosto.

Maria Letra
Imagens da net

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

BELHÓS DE CENOURA

Dado que faço tudo 'a olho', esta receita, embora de minha autoria, recorri a quandidades mencionadas em outras receitas.

800grs de cenouras
40grs de fermento em pó
1dl de leite
5 ovos
500grs de farinha
80grs de pinhões
raspa de 1 limão
q.b. de óleo, açúcar e canela

- Ponha as cenouras inteiras, afim de conservar as vitaminas e o seu gosto, num tacho de água a ferver.
- Quando estiverem cozidas, coloque-as dentro duma saca, por exemplo de pão, em tecido, a escorrer, até que fiquem livres da água de cozê-las.
- Passe as cenouras pelo passe-vite e junte-lhe o leite.
- Misture o fermento na farinha e vá juntando à massa anterior, os ovos e a farinha,  alternadamente, mexendo bem.
- Junte a raspa de limão.
- Acondicione muito bem esta massa, na taça onde a preparou, polvilhe com um pouquinho de farinha, cubra com uma manta e deixe ficar a levedar num local bem quentinho.
- Coloque azeite numa frigideira funda e, quando estiver bem quente, leve a fritar fazendo bolas com a ajuda de duas colheres de sopa.
- Tenha o cuidado de ir virando para que fritem dos dois lados. Quando estiverem lourinhas, 
retire com uma escumadeira e deixe escorrer em papel absorvente, apropriado para o efeito.

- Passe uma a uma por uma mistura de açúcar e canela ou, em alternativa e como da minha preferência, cubra com a mesma calda de açúcar que mencionei na receita das rabanadas.

Sugeriria que, no caso de usarem calda de açúcar nas rabanadas, usem o açúcar e a canela nos bélhos de cenoura, para variar.

Maria Letra
QUE ME PERDOEM O PECADO DA  "GULA", NESTA ÉPOCA FESTIVA

Até final do ano vou cometer a imprudência de passar-vos receitas de Natal sem querer saber de combinações alimentares. Seria muito difícil, com os meus parcos conhecimentos, inventar receitas
nas quais tudo combinasse muito bem. Por esse facto, peço-vos desculpa e queiram aceitar as MINHAS receitas, que venho praticando ao longo dos anos e que, segundo quem as prova, não são de rejeitar.

AS MINHAS RABANADAS

- Compre 1 pão de forma mas, se fôr fresco, não o utilize nesse dia. Espere pelo dia seguinte e corte-o em fatias. A espessura das fatias deverá obedecer ao gosto de quem as faz. Pessoalmente, gosto delas com 1,5cms.
- Aqueça leite suficiente para a quantidade de rabanadas que precisar de fazer e, sem fervê-lo, passe cuidadosamente as fatias de pão por ele, para que fiquem a amolecer. Há quem ponha um pouco de açúcar e pau-de-canela no leite. Todavia, como estas rabanadas levam molho, não adiciono nada ao leite, afim de não exagerar nas quantidades de açúcar e canela, ingredientes estes já existentes na calda.
- Ponha num tacho, a ferver, 2dl de água, 250grs de açúcar, 1 pau de canela e a casca, ultra-fina, de um limão. Digo ultra-fina porque é a melhor maneira de o utilizarmos, quanto a mim, sem a pela branca agarrada à casca, pois deixa passar melhor o seu delicioso gosto e aroma.
- Deixe ferver até que, ao colocar a escorrer esta calda, numa colher de pau, a última gota que caír deixe um finíssimo fio, sinal de que a mesma engrossou ligeiríssimamente.
- Quando esta calda estiver pronta, coloque dentro uma colher de sopa de canela em pó.
- Entretanto, enquanto a calda está ao lume, aqueça azeite numa frigideira e coloque dentro as duas cascas de um dos ovos que utilizou nas rabanadas, afim de evitar a exagerada espuma que se forma durante o tempo de fritura das rabanadas.
- Com muito cuidado, retire cada fatia de pão, já amolecida, com a ajuda duma espátula e de um garfo, passe-a por os ovos, previamente batidos (com a clara) e frite.
- Quando estiverem douradas, coloque-as as escorrer o azeite em papel absorvente, apropriado.
-Quando estiverem bem secas, haverá duas alternativas:

a) Ou as regam com a calda, pulvilhando de canela, alternativa da minha preferência ... 

b) Ou se polvilham com uma mistura de açúcar e canela em pó. Se este fôr o caso, aconselho ponham no leite, onde forem colocadas para amolecer, um pouco de açúcar, canela-em-pau e casca de limão.



Nota: Há quem goste das rabanadas molhadas em vinho tinto, ou vinho do Porto, ou com mel. Eu não aprecio, nunca experimentei e, por tal motivo, não arriscaria uma receita.

Maria Letra
Imagens extraídas da net.

domingo, 13 de dezembro de 2009

CO2 E O VEGETARIANISMO

Foto de Alfredo Letra: Almendra, um encanto de beleza natural.


Lamento estar a editar este texto com uma notícia - que reputo de grande importância - 10 dias depois da sua data de publicação pela Globo, porque só hoje a li. Não quis, no entanto, deixar passar em branco a declaração feita no Parlamento Britânico por Paul McCartney, quanto mais não seja para criticar a falta de respeito da parte dos elementos presentes. Independentemente de sermos, ou não, a favor da alimentação vegetariana, nem sempre agradável, sobretudo para quem está habituado àqueles pratos 'empanturrantes' que nos deixam enfartados e podem provocar-nos, também, enfartes no miocardio, etc., etc., porque não debruçarmo-nos um pouco sobre o que Paul McCartney foi ali defender e valorizarmos mais a sua intenção? Pessoalmente gosto de fazê-lo sempre e sobretudo, quando os temas em discussão são o futuro do planeta, devendo ser essa a posição de cada cidadão, afim de podermos prestar melhores contas aos nossos descendentes, daquilo que fizemos para evitar uma catástrofe. Esta matéria, juntamente com outras que possam elucidar-nos relativamente ao que vai mal na forma como vivemos os nossos dias, são de suprema importância e não devíamos rirmo-nos, fosse do que fosse, quando é o futuro de todos nós que está em causa . É claro que, entre os que estão, deveras, preocupados, há os que se estão 'marimbando' para o futuro, pois o lema deles é o de que devemos "VIVER O DIA-A-DIA". Todavia, quando cada minuto, para milhões e milhões de pessoas, é passado a fazer muito mal ao ambiente, terão de ser os conscientes a activar formas de luta no sentido de acabar com o seu menefreguismo, a sua irresponsabilidade criminosa, cujas consequências, infelizmente, são por demais evidentes. Estou um pouco como dizia uma actriz brasileira: Ninguém quer saber ... "Até sangrar".

......................................................................................................


Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2009 16:38

O cantor britânico Paul McCartney foi duramente criticado na manhã desta quinta-feira, quando falou ao Parlamento britânico sobre vegetarianismo e mudanças climáticas. No discurso, McCartney afirmou que não comer carne pelo menos um dia na semana é uma das maneiras mais eficazes de diminuir as emissões de CO2 que contribuem directamente para o aquecimento global. Segundo o ex-beatle, cortar a carne do cardápio diminuíria as emissões individuais em até 80%.Os políticos reagiram ao discurso do músico com piadinhas, trocadilhos e até um convite para almoçar em uma churrascaria. Porém, o ex-beatle não se deixou abater pelas críticas.- Ao fazer pequenas mudanças na alimentação, uma pessoa pode fazer grandes contribuições ao planeta. A alimentação vegetariana faz bem à saúde e protege a Terra - disse à revista "Parliament Magazine".

A alimentação vegetariana faz bem à saúde e protege a Terra

McCartney vai lançar na semana quem vem, no primeiro dia da conferência sobre o clima em Copenhague, a campanha "Meat-free Monday" (Segunda-feira sem carne, em inglês). O cantor quer chamar a atenção dos representantes que participam do encontro e mostrar que não bastam os países se comprometerem com cortes nas emissões. A população deve aprender que cada um pode fazer uma diferença na contenção do efeito estufa.

Representantes das Nações Unidas manifestaram apoio ao ex-beatle. Na reunião no Parlamento, o cantor foi acompanhado por Rajendra Pachauri, membro do painel intergovernamental da ONU para mudanças climáticas, e Olivier de Schutter, enviado especial da ONU para pesquisas sobre alimentação, ambos vegetarianos de carteirinha.

Fonte para 0 Guia Vegano : O Globo
Extraído de: http://www.guiavegano.com.br

Maria Letra

ALIMENTOS COM COLESTROL AUMENTAM O RISCO DE ALZHEIMER


Consulte os rótulos dos alimentos. O colesterol alimentar pode aumentar o risco de desenvolver doenças neurodegenerativas como o Alzheimer. O estudo, do australiano Prince of Wales Medical Institute, foi efectuado em ratos e posteriormente testado com células cerebrais humanas.


A acção do colesterol no cérebro parece cifrar-se no aumento de produção de beta-amilóides, proteínas sem função determinada, cuja acumulação está relacionada com a doença de Alzheimer. Os investigadores responsáveis, citados pelo jornal britânico Daily Express, dizem ter descoberto também que as proteínas ABC, que expulsam o colesterol das paredes arteriais, também estão presentes no cérebro.

Em Portugal, segundo números revelados pela Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de Pessoas com Alzheimer em 2006, estima-se que 60 mil pessoas sofram desta doença.


Nota Pessoal:
É sabido que defendo o recurso a alternativas à carne, conhecedora como sou dos seus efeitos quando se abusa dela na alimentação. Ao escrever isto recordo um velho amigo que, sempre que comia cabrito, no dia seguinte não podia andar com fortes dores nos pés, tendo necessidade de metê-los em água fria, afim de aliviar-lhe as dores. Todavia, as informações que reputo de mais importantes, trago-as a este blogue no sentido de - caso ocorra serem lidas por pessoas com variadas experiências pessoais - poder conhecer outras opiniões. Não sou formada em saúde e, portanto, não gostaria de ser interpretada como sendo alguém que pretende alterar hábitos ou convencer alguém de que a minha opinião está recheada de 'saber'. Como, pessoalmente, a minha experiência tem-me ensinado muita coisa, estou convencida que, se seguirmos uma alimentação correcta, viveremos melhor. Qual a alimentação correcta? A que está provado trazer, realmente, benefícios concretos à nossa saúde.

Aproveito para dar um conselho a quem tem um pouco de peso a mais: Um bom copo de água morna, logo pela manhã, com algumas boas gotas de limão. Eu não prescindo dele porque me sinto muito bem depois de tomá-lo e, talvez por isso, não consigo engordar ... o que é pena!



Maria Letra
Fotografia da autoria de Miguel Letra











terça-feira, 1 de dezembro de 2009

AÇORDA DE MARIACO! UM MAGNÍFICO PRATO!





Coloque ameijoa do Algarve (da mais escura e grande) e mexilhão, depois de muito bem lavados, dentro dum recipiente (um recipiente para cada qualidade de marisco) deitando fora aquele que estiver já aberto e, aparentemente, morto. Deixe assim, uma a duas horas, em local fresco.

Ponha a cozer camarões frescos e algumas gambas. Não deite fora a água onde cozeram.

Coloque, numa panela de pressão, azeite, 4 dentes de alho com a pele, 2 folhas de louro e um molho de coentros. Deixe aquecer e meta, imediatamente, o marisco de concha, depois de bem passado por água fria, afim de retirar-lhe o sal e a areia que, entretanto, largou.
Atenção: verifique, um a um, se o marisco está todo vivo.

Depois da panela de pressão começar a apitar, deixe cozer durante 10 minutos.
Quando estiver pronto, retire da panela de pressão e separe as conchas.

Passe por um coador fino, a água de cozer as ameijoas e o mexilhão. Junte-lhe uma parte da água de cozer o camarão e as gambas.

Coloque meia chávena almoçadeira de azeite num tacho, com 5 dentes de alhos bem esmagados. Deixe fritar uns segundos e coloque dentro a água de cozer o marisco, até à altura duma mão transversal (4 ou 5 dedos de altura).

Desligue o disco e coloque dentro 4 pães cortados aos bocadinhos muito pequenos e deixe de molho durante uns 5-8 minutos.

Em seguida, volte a levar ao lume, deixando ferver durante 20 minutos e mexendo   sempre para não pegar ao fundo. É importante que o pão fique macio e bem desfeito.

Coloque dentro, então, todo o marisco. Deixe cozer, sem parar de mexer, durante mais 10 minutos.

Na altura de servir, coloque 2 ovos, levemente batidos, deixando-os cozer. Misture bem na açorda.

Há quem prefira colocar 3 ovos no topo da açorda, deixando-os escalfar em lume brandissimo.

Finalmente, cortar um raminho de salsa e juntar à açorda.

Maria Letra
Imagem da net

AINDA SOBRE "A ARGILA"

Li hoje um texto, da autoria de Pedro Laranjeira, sobre a Argila, o qual considero precioso. Recomendo-o, portanto, a quem esteja interessado em aumentar os seus conhecimentos sobre este magnífico produto que a Natureza nos deu, afim de podermos prevenir ou até mesmo curar, doenças dos mais variados tipos.

Espero sigam à risca os conselhos dados por Pedro Laranjeira. É preciso termos em atenção os mais pequenos detalhes quando preparamos a argila, produto que uso há muitos anos. A minha experiência leva-me a aconselhá-lo veementemente.

Maria Letra